Skip to main content

Laboratório Análise Sementes

• Responsável técnico:

    Prof. Dr. Carlos Machado dos Santos
    
Laboratoristas:

    Adílio de Sá Júnior

• Endereço:

    Laboratório de Análise de Sementes - ICIAG/UFU
    Campus Umuarama - Bloco 4C - sala 4C13
    CEP 38.400-902 - Uberlândia - Minas Gerais

• Telefones/Fax para informações:

    (34) 3212-5566 ou 3218-2207

•  e-mail:

    cmsantos@umuarama.ufu.br

SERVIÇOS OFERECIDOS

Além dos testes de rotina exigidos pelo programa de certificação/fiscalização de sementes ainda são prestados serviços envolvendo:

-Amostragem;
-Pureza;
-Germinação;
-Verificação de espécies e cultivares;
-Exame de sementes nocivas;
-Teste de tetrazólio;
-Umidade em estufa;
-Umidade método expedido;
-Peso volumétrico;
-Peso de mil sementes;
-Valor cultural;
-Nº de sementes "Sem Casca";
-Nº de sementes "Com Casca";
-Exame de sementes infestadas;
-Classificação por peneira;
-Teste de embriões expostos;
-Análise de sementes revestidas;
-Avaliação de tolerância;
-Teste de sanidade de sementes;
-Emergência em areia ou campo;
-Classificação de vigor da plântula;
-Teste de envelhecimento;
-Teste de frio;
-Teste de condutividade elétrica;
-Teste de pH do exudato;
-Teste de sementes com injúrias mecânicas;
-Peso de matéria seca e comprimento de plântula;
-Identificação de causas de descarte de lotes;
-Treinamento de laboratoristas e responsáveis técnicas de campo de produção de sementes;
-Consultoria nas áreas de produção, beneficiamento, armazenamento, controle de qualidade, montagem e/ou instalação de laboratórios de análises e de unidades de beneficiamento de sementes.

 
AMOSTRAGEM DE SEMENTES

É indiscutível a importância dos dados obtidos pela análise de sementes de uma determinada amostra. Entretanto, por mais criteriosa que seja a análise, os resultados obtidos não terão valor caso a amostra analisada não seja representativa do late da qual foi retirada.

Quando se remete uma amostra de semente a um laboratório para análise, esta porção deverá representar ao máximo a qualidade de todo lote. Para que isto aconteça, é necessário seguir de forma rigorosa todos os procedimentos preconizados para obtenção de uma amostra representativa.

Primeiramente, na amostragem são retiradas porções iguais de sementes de diversos recipientes (embalagens, ou de diferentes pontos do depósito, no caso de sementes armazenadas a granel). Cada porção sacada de diferentes lugares do lote e em várias profundidades, constitui uma amostra simples.

Para a amostragem de sementes armazenadas a granel ou durante o beneficiamento, as R.A.S. prescrevem:

-Lotes de até 50 Kg de sementes: não menos de três amostras simples;
-Lotes de 51 a 500 Kg de sementes: pelo menos cinco amostras simples;
-Lotes de 501 a 3.000 Kg de sementes: uma amostra simples de cada 300 Kg, porém, não menos de cinco amostras simples (caso de lotes inferiores a 1.500 Kg);
-Lotes de 3.001 a 20.000 Kg de sementes: uma amostra simples de cada 500 Kg, não coletar menos de dez amostras simples (caso de lotes inferiores a 5.000 Kg)
Para sementes acondicionadas em sacos ou recipientes de tamanho semelhante, a exigência mínima é a seguinte:
-Lotes de até cinco sacos: cada saco deve ser amostrado, coletando-se cinco amostras simples pelo menos;
-Lotes de seis a 30 sacos: uma amostra a cada três sacos, porém, não menos de cinco amostras simples (caso de lotes inferiores a 15 sacos);
-Lotes de 31 a 100 sacos: uma amostra de cada cinco sacos, porém não menos de dez amostras simples (caso de lotes inferiores a 50 sacos);
-Lotes de 101 ou mais sacos: no mínimo 30 sacos deverão ser amostrados.

Caso seja comprovada a uniformidade das diversas amostras simples, elas deverão ser reunidas em um recipiente e, depois de muito bem homogeneizadas, irão constituir a amostra composta.

Pela redução da amostra composta obtém-se a amostra média, que deve ter um peso mínimo adequado (especificado nas R.A.S.) É obrigatório que este peso mínimo seja respeitado pois, caso isto não ocorra, análise não será efetuada.

Para sementes de grandes culturas (algodão, arroz, feijão, milho, soja), de leguminosas forrageiras (feijão-guandu, vignia, leucena, mucuna) e outras de tamanho similar recomendam-se 2 Kg de sementes.

No caso de gramíneas forrageiras tem-se recomendado 300g de sementes, a mesma quantidade pode ser usada para leguminosas de sementes pequenas (Stylosanthes e soja perene).

A amostra média assim obtida, deve ser enviada ao laboratório em recipientes apropriados de acordo com o tipo de análise a que se destina; as destinadas aos testes de pureza física, de germinação e de vigor, devem ser acondicionadas em embalagens porosas (pano, papel ou papelão), enquanto aquelas destinadas aos testes de umidade e ao peso hectolítrico, em embalagens herméticas (vidro ou saco plástico).

Na embalagem que contém a amostra média, devem constar as seguintes informações:

 
ENVIO DAS AMOSTRAS

A semente é um ser vivo e precisa de cuidados especiais, até que chegue o momento da análise. Portanto, estejam atentos à alguns procedimentos que podem proteger a semente a garantir a representatividade do material em relação ao lote que foi amostrado:

-até que sejam enviadas, armazenar as amostras em local fresco, seco e ventilado;
-evite o transporte das amostras expostas ao sol ou ao calor;
-evite o transporte das amostras com produtos químicos (herbicidas, adubos, inseticidas, fungicidas);
-evite umidade no transporte.

Atentos a esses cuidados, enviar as amostras médias acondicionadas em caixas de isopor (preferencialmente) ou de papelão, para o seguinte endereço:

 
FORMA DE PAGAMENTO

O produtor, ao enviar sua amostra com as informações solicitadas, poderá encaminhar, em anexo, cheque nominal à FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO-FUNDAP.